quarta-feira, 20 de abril de 2011

Blogagem Coletiva: O que leva você a comprar um livro?

Novamente estamos fazendo parte da blogagem coletiva proposta no Livros e Afins, cujo tema é: "O que leva você a comprar um livro?". Perguntinha apetitosa para bookworms feito nós, non?




Quando se tratam de livros teóricos - da área de Letras, na maioria das vezes - eu costumo comprar porque estou precisando deles devido ao que estou estudando no momento, por exemplo. Dicionários e Gramáticas são essenciais para mim, então sempre que posso abusar um pouquinho das minhas (escassas) finanças, eu gosto de comprar para ter em casa, mesmo sem estar estudando o assunto.

Agora quando se trata de literatura "literária" depende muito. Quando eu gosto muito de um autor, costumo comprar sem nem pesquisar muito a temática do livro. Esse é o caso de Jostein Gaarder, por exemplo, autor que me é um dos favoritos desde sempre. Compro livros dele sem nem pestanejar. Também gosto de comprar livros que sei que vou reler em algum momento, que me cativaram quando li (e foram empréstimos) e me marcaram de alguma forma. Ou então quando precisava ler para a faculdade e não encontrava tão facilmente em bibliotecas - como foi o caso d'A Demanda do Santo Graal. Mas o que menos ocorre é eu comprar um livro só porque vi na loja e "fui com a cara" dele. Uma capa bonita não é o suficiente para me tentar. Acho que a escolha de um livro na loja é meio intuitiva, como se tal volume desejasse ser lido e implorasse para que você o levasse para casa. E como eu gosto bastante de emprestar os meus livros (para pessoas de minha confiança, claro), sempre vale a pena porque sei que, depois, vou poder discutir tal enredo com aquela pessoa. E eu gosto de ter a minha prateleira cheia, me dá uma sensação de que não estou sozinha.

Medeia


Bom, digamos que eu seja um pouco compulsiva em relação a comprar livros. Não loucamente, mas sinceramente não tenho problemas em comprar quando se trata de autores que eu gosto. Machado de Assis, Carlos Drummond de Andrade, Vinícius de Moraes são autores que eu sempre compro, especialmente porque não tenho muitos livros deles, então é bem fácil para mim.

Também costumo levar a sério (e muito) a opinião das pessoas com quem mais converso sobre leitura. A Medeia é uma delas e confio no olho e julgamento apurado dela. Por isso acabei lendo, gostando e comprando Bernard Cornwell que me é muito querido. Ainda sobre esta prática, já li Jostein Gaarder, Rick Riordan, Jane Austen, James Joyce, Pablo Neruda, José Saramago e Ernest Hemingway por indicação de amigos. Tenho pelo menos um livro de cada um desses autores. E isso para ilustrar que eu realmente levo em conta a opinião das pessoas em quem confio.

Mas também já ocorreu de eu comprar livros apenas pela sinopse, como foi o caso de A Batalha do Apocalipse e Dragões de Éter (Sim, estou dando crédito à literatura de fantasia nacional). O primeiro já li e apesar de ter gostado, tenho algumas restrições. O segundo está lá em casa a minha espera, porque no momento (novamente) estou lendo Jogos Vorazes da Suzanne Collins, indicação (boa) de uma amiga que também me indicou a série Percy Jackson.

Por fim, quando se trata de livros teóricos, até hoje só comprei alguns de linguística e outros de teoria do texto, que é uma área que me interessa muito. E as minhas 3 últimas aquisições têm tudo a ver com o fato de eu estar muito decidida a melhorar minha base teórica em escrita, ou seja, tenho muita leitura pela frente ainda.

Calipso

7 comentários:

Ghost Writer disse...

Primeiramente, gostei do título do blogue, tenho fascínio pelo anonimato.

Mas discutindo a coletiva, livros teóricos geralmente compramos por necessidade e concordo Medéia que não há como julgar um livro pela capa, como diz o ditado. Também me foco mais em suas sinopses, elas podem ou não falar muito sobre um livro, mas mesmo quando a resposta seja não, não se compara a uma ilustração "atrativa", o conteúdo de um livro é o seu valor.

Percebo que Calipso dá muito valor aos clássicos e, ao contrário de mim, não é egoísta e empresta seus livros. Sugiro que busque também novos autores, pode se surpreender.

Se quiserem conferir minha participação, o convite esta feito.

http://escritoslisergicos.blogspot.com/2011/04/o-que-leva-voce-comprar-um-livro.html

Jorge Leberg disse...

Também salvando este para ler depois. Já postei o meu, aliás, inclusive expondo minha relação fetichista e peculiarmente paranoica com meus livros, rs. Abração!

Roberta Fraga disse...

Eu também gostei do título do blog.
Eu transito entre autores, mas normalmente, fico um tempo lendo a respeito de um mesmo autor.

Vanessa disse...

Quanto mais eu leio mais sei que não li nada ainda. As vezes eu fico até deprimida por saber que há tanto por ler e pouca vida para viver isso tudo. Graças a Deus a neurose não dura muito e continuo com minhas listas imensas de livros a ler :-). Abraço e boa páscoa

Jorge Leberg disse...

Quanto mais eu leio mais sei que não li nada ainda. As vezes eu fico até deprimida por saber que há tanto por ler e pouca vida para viver isso tudo. Graças a Deus a neurose não dura muito e continuo com minhas listas imensas de livros a ler [2]

É exatamente assim como muitas vezes me sinto, diante da quantidade imensurável de obras literárias já escritas no mundo. Mesmo que as delimitássemos às mais importantes (segundo certos critérios, a depender de cada um ou de uma visão acadêmica mais ou menos objetiva), ainda assim seria uma quantidade imensa.

E também não julgo livros pela capa, nunca me deixo levar pela beleza das mesmas, ou do acabamento e design desta ou daquela edição como um todo. Abração!

Jorge Leberg disse...

Indiquei vocês duas ao meme Leitor Consciente:

http://jorge-leberg.livejournal.com/98015.html

Abração!

Anônimo disse...

Eu amei o blog como já comentei no conteúdo de letras, sinceramente este é o melhor blog de conteúdo intelectual. Adorei as postagens!